APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


segunda-feira, 30 de abril de 2012

A QUADRA E OS QUADRADOS - Nailson Costa



Hoje deram a machada final numa patrimônio sentimental daqueles que viveram a quadra municipal de Santa Cruz. Hoje a apatrol derrubou tudo, cobriu o mundo de poeira. Semelhante ao fim do Machadão. Vi agora às 16h30min, quando passei a caminho da academia. Perguntei ao Dr. Rocha Filho o que seria ali construído, e, com clareza, elegância e concisão respondeu-me, " Acho que vai ser .... num sei direito, não. De início vai servir para o parque de Everaldo, depois .... sei não!" Lá estava também o Dr. Medeiros. Aí pensei, talvez seja uma nova elevação da caern/saae, ou não, talvez uma Secretaria Municipal nova, a do Combate às Muriçocas, ou não, talvez um estacionamento para os jegues, ou não, talvez, um espaço para o grande encontro salutar dos paredões de som, ou não, quem sabe o point dos carroceiros, ou não, uma arena para os fanáticos religiosos, quem sabe?! Mas, please, uma praça nova NÃÃÃÃÃOO! Fiz uma crônica em 2006 sobre o abandono dessa quadra que publiquei no Diário de Natal e no Folha do Trairi: 

A QUADRA E OS QUADRADOS

“O que é isto, companheira?” Foi a minha primeira reação, ao adentrar as dependências da Quadra Municipal Antônio Henrique de Medeiros. Aquele pequeno, mas não menos nobre espaço esportivo, está num abandono que faz dó.

É normal que os atletas procurem um espaço mais adequado e moderno para a prática esportiva, como o Ginásio Poliesportivo Marcílio Furtado, por exemplo. Não devemos jamais esquecer, entretanto, aquilo que ajudou a construir a nossa formação, o nosso caráter, a nossa história.
A Quadra Antônio Henrique de Medeiros é membro da família de todos os atletas e torcedores que viveram um caso de amor com o esporte de Santa Cruz, em especial, o futsal. Dar-lhe as costas agora é, no mínimo, um ato de ingratidão, e, quando parte do órgão público responsável pela sua manutenção, é um descaso criminoso.
“O que é isto, companheira?” Foi a repetição de meu espanto ao ver a minha Quadra sem platéia, sem as grandes jogadas, triste, suja e fedida.
Sentei-me na arquibancada vazia e silenciosa e lembramos juntos os grandes campeonatos organizados por Ribeiro na década de 1970. Lembramo-nos também dos jogos estudantis; do Comercial de Cebolinha e de Beval; do Técnico de Colega, de Élcio, de Zia e de João de Pedro de Tico; do União de Noroelho, de Trigueiro, de Zé Alaíde, de Tino, de Deusdete, de Ebinho e de Leão; do Barcelona de Carlinho de Valdomiro, de Marcílio Anísio; da Quadra lotadíssima; de papai a vibrar com a boas lutas de Bernadão e Cirilo; do voleibol de Bulhões, de Marcão, de Gatocheba, de Ana Alice, de Marlene e de Noymane.
Fiz-lhe lembrar que hoje, apesar de termos um espaço esportivo mais adequado e moderno, não há mais o gosto adocicado no bolo das grandes festas de outrora.
Queixou-me ela, baixinho e cansada, que ventilou-se a possibilidade de trocar de nome e até de sua demolição para dar lugar a mais uma praça. As praças não são como as praças esportivas. Não propiciam o surgimento de atletas. Pelo contrário, pode ser ponto de encontro de bebedeira e de prostituição.
Disse-lhe que as canetas da incompetência podem até escrever tamanha insanidade, mas nunca riscarão a qualidade de patrimônio histórico tombado pelos corações de todos aqueles que viveram a Quadra Municipal Antônio Henrique de Medeiros.



Nailson Costa, JUNHO DE 2006

VIOLETA - José de Nicola



do livro ALFABETÁRIO

domingo, 29 de abril de 2012

SHOW POÉTICO-MUSICAL/SIMPÓSIO: “Psicologia Ambiental, Poesia e Cultura da Paz” - Epitácio Andrade


A programação noturna do Simpósio: “Psicologia Ambiental, Poesia e Cultura da Paz”, ocorrido no período de 20 a 21 de Abril, em Santa Cruz/RN, foi um show poético-musical, comandado pela Associação dos Poetas e Escritores de Santa Cruz (APOESC), com a participação especial da cantora Lysia Condé, do pesquisador social Epitácio Andrade, do artista circense Alberi Silva e do músico Cláudio Saraiva.

A atração-âncora do show poético-musical foi o cantor Cláudio Saraiva que apresentou músicas de artistas nordestinos.

“Telegrama”, de Zeca Baleiro.

Cláudio Saraiva ofereceu ao artista circense Alberi Silva a música “Telegrama”, de Zeca Baleiro.

O cantor Cláudio Saraiva dividiu o cenário com os astros da métrica da APOESC. Passaram pelo palco, com repentes poéticos indutores da reflexão: Adriano Bezerra, Marcos Cavalcante, Gilberto Cardoso dos Santos e Hélio Crisanto, autor de “Estradeiro”, poema musicado por Zeca Brasil, interpretado por Lysia Condé.

“Estradeiro” por Lysia Condé

A APOESC desfilou com seus construtores de versos, incentivando Hélio Crisanto, o autor do poema “Estradeiro”, que foi musicado por Zeca Brasil, defendido pela cantora Lysia Condé, no II Festival de Músicas do Cangaço, em Serra Talhada, em Pernambuco, no dia 28 de Abril.

Durante o show poético-musical, o artista multimídia Aucides Bezerra de Sales organizou uma exposição sobre cultura indígena e apresentou o romance de cordel “Cantofa e Jandi”, que versa sobre a matança dos índios pajeús, na área circunscrita pela então vila de Portalegre, a terceira mais antiga do Rio Grande do Norte, nos idos dos séculos XVIII e XIX.

O show marcou a classificação da música “Estradeiro”, do poeta Hélio Crisanto, musicada por Zeca Brasil, depois defendida pela cantora Lysia Condé, no II Festival de Músicas do Cangaço, em Serra Talhada/PE, em 28 de Abril.

"SERTÃO É DENTRO DA GENTE..." - Gustavo Adonias

Flickr 

Sertão é quando a gente sente
Que está rachando de repente
E não há como juntar os pedaços novamente
Sertão é o seco caminho de rio
Açude vazio
Espinho de esperança
Sertão é quando a gente olha
E até onde a vista alcança
É apenas sol, fustigando feito lança
Sertão é caatinga de sentimentos
Sertanejo lamento
D´alma retirante
Sertão é a légua tirana
Ferindo nossos passos sem alpercatas
Sertão a gente sente
"Sertão é dentro da gente..."

  

DIA NACIONAL DA CAATINGA

SÓ SE DÁ VALOR A UM POVO SE O POVO SE DER VALOR - José Acaci



Quando for votar de novo,
lembre, meu caro eleitor:
Só se dá valor a um povo,
se o povo se der valor.
Se você trocar seu voto
por gasolina de moto,
sacolão ou aguardente,
estará colaborando
ou, quem sabe, até causando
a morte de um inocente.

sábado, 28 de abril de 2012

ESTRADEIRO no II festival de músicas do cangaço


Neste sábado, dia 28 de abril de 2012, a música "Estradeiro" com letra de Hélio Crisanto e arranjos de Zeca Brasil e Camilo Henrique, irá representar o nosso estado no II festival de músicas do cangaço na cidade de Serra Talhada PE. A canção será interpretada pela cantora  Lysia Condé. Vinte músicas foram selecionadas para fazer a grande final, entre elas a canção dos músicos potiguares, que irá concorrer com artistas de todo o pais.
Vejam a belissima interpretação da música na voz angelical da cantora mineira. Dr. Epitácio Andrade e a esposa se encontram no evento. Estão representando  a APOESC e torcendo por nosso sucesso.



SÓ A POESIA PODE SALVAR O MUNDO - Ricardo Gondim


Tem dias que acordo com a beleza tentando escapulir de dentro do meu peito. Não encontro meios de permitir que ela vaze. Um universo de boas palavras se revolve nas minhas entranhas. Tento poetar me fazendo amigo dos sonetos. Sei que a cadência das frases feitas em verso pode me socorrer. A beleza da poesia alivia como uma aragem fresca. A asfixia convulsiva da angústia não resiste a graça avassaladora de um poema.
Mas sou incompetente para o verso metrificado. Resta-me deixar os dedos à vontade. E eles bailam na prosa. Bordo pensamentos numa sintaxe pouco alinhada. Redijo como o menino que precisa mostrar-se na redação. É jeito de desabafar.
Sento-me à mesa para distribuir uma eucaristia. Minha sede de viver vira o pão sem fermento. Não reflito sobre os escombros da morte, mas, na esperança da aurora.
[...]
Dou razão a Vinicius de Moraes: “Só a poesia pode salvar o mundo de amanhã”. Os poetas são vigias. Eles guardam as muralhas da cidade; são arautos do divino. De seu alarido frágil vem uma certeza: o mal ainda não se mostrou forte o suficiente para arrancar a Imago Dei do coração de homens e mulheres. Do alto da torre, tirania e opressão tomam conhecimento: o brado da vida pertence aos que amam o Bem. A beleza que tenta sair do meu peito é compromisso transubstanciado em palavras.

Contradição Humana

sexta-feira, 27 de abril de 2012

DEUS NOS LIVRE DE UM PAÍS EVANGÉLICO

Nota: Ricardo Gondim é um pastor cearense. Já foi dublador do famoso televangelista Jimmy Swaggart e hoje tem uma visão diferente sobre religião. Suas palavras e entrevistas têm causado grande celeuma no meio evangélico. Muitos crentes leem suas obras às escondidas, pois temem ser punidos. Seus adversários criaram o termo GONDINISMO para referir-se à "obra demoníaca" que ele tem feito. Meditem no que diz e opinem - Gilberto Cardoso dos Santos


DEUS NOS LIVRE DE UM PAÍS EVANGÉLICO - Ricardo Gondim

Começo este texto com uns 15 anos de atraso. Eu explico. Nos tempos em que outdoors eram permitidos em São Paulo, alguém pagou uma fortuna para espalhar vários deles, em avenidas, com a mensagem: “São Paulo é do Senhor Jesus. Povo de Deus, declare isso”.
Rumino o recado desde então. Represei qualquer reação, mas hoje, por algum motivo, abriu-se uma fresta em uma comporta de minha alma. Preciso escrever sobre o meu pavor de ver o Brasil tornar-se evangélico. A mensagem subliminar da grande placa, para quem conhece a cultura do movimento, era de que os evangélicos sonham com o dia quando a cidade, o estado, o país se converterem em massa e a terra dos tupiniquins virar num país legitimamente evangélico.
Quando afirmo que o sonho é que impere o movimento evangélico, não me refiro ao cristianismo, mas a esse subgrupo do cristianismo e do protestantismo conhecido como Movimento Evangélico. E a esse movimento não interessa que haja um veloz crescimento entre católicos ou que ortodoxos se alastrem. Para “ser do Senhor Jesus”, o Brasil tem que virar “crente”, com a cara dos evangélicos. (acabo de bater três vezes na madeira).
Avanços numéricos de evangélicos em algumas áreas já dão uma boa ideia de como seria desastroso se acontecesse essa tal levedação radical do Brasil.
Imagino uma Genebra brasileira e tremo. Sei de grupos que anseiam por um puritanismo moreno. Mas, como os novos puritanos tratariam Ney Matogrosso, Caetano Veloso, Maria Gadú? Não gosto de pensar no destino de poesias sensuais como “Carinhoso” do Pixinguinha ou “Tatuagem” do Chico. Será que prevaleceriam as paupérrimas poesias do cancioneiro gospel? As rádios tocariam sem parar “Vou buscar o que é meu”, “Rompendo em Fé”?
Uma história minimamente parecida com a dos puritanos provocaria, estou certo, um cerco aos boêmios. Novos Torquemadas seriam implacáveis e perderíamos todo o acervo do Vinicius de Moraes. Quem, entre puritanos, carimbaria a poesia de um ateu como Carlos Drummond de Andrade?
Como ficaria a Universidade em um Brasil dominado por evangélicos? Os chanceleres denominacionais cresceriam, como verdadeiros fiscais, para que se desqualificasse o alucinado Charles Darwin. Facilmente se restabeleceria o criacionismo como disciplina obrigatória em faculdades de medicina, biologia, veterinária. Nietzsche jazeria na categoria dos hereges loucos e Derridá nunca teria uma tradução para o português.
Mozart, Gauguin, Michelangelo, Picasso? No máximo, pesquisados como desajustados para ganharem o rótulo de loucos, pederastas, hereges.
Um Brasil evangélico não teria folclore. Acabaria o Bumba-meu-boi, o Frevo, o Vatapá. As churrascarias não seriam barulhentas. O futebol morreria. Todos seriam proibidos de ir ao estádio ou de ligar a televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada, de várzea aconteceria quando?
Um Brasil evangélico significaria que o fisiologismo político prevaleceu; basta uma espiada no histórico de Suas Excelências nas Câmaras, Assembleias e Gabinetes para saber que isso aconteceria.
Um Brasil evangélico significaria o triunfo do “american way of life”, já que muito do que se entende por espiritualidade e moralidade não passa de cópia malfeita da cultura do Norte. Um Brasil evangélico acirraria o preconceito contra a Igreja Católica e viria a criar uma elite religiosa, os ungidos, mais perversa que a dos aiatolás iranianos.
Cada vez que um evangélico critica a Rede Globo eu me flagro a perguntar: Como seria uma emissora liderada por eles? Adianto a resposta: insípida, brega, chata, horrorosa, irritante.
Prefiro, sem pestanejar, textos do Gabriel Garcia Márquez, do Mia Couto, do Victor Hugo, do Fernando Moraes, do João Ubaldo Ribeiro, do Jorge Amado a qualquer livro da série “Deixados para Trás” ou do Max Lucado.
Toda a teocracia se tornará totalitária, toda a tentativa de homogeneizar a cultura, obscurantista e todo o esforço de higienizar os costumes, moralista.
O projeto cristão visa preparar para a vida. Cristo não pretendeu anular os costumes dos povos não-judeus. Daí ele dizer que a fé de um centurião adorador de ídolos era singular; e entre seus criteriosos pares ninguém tinha uma espiritualidade digna de elogio como aquele soldado que cuidou do escravo.
Levar a boa notícia não significa exportar uma cultura, criar um dialeto, forçar uma ética. Evangelizar é anunciar que todos podem continuar a costurar, compor, escrever, brincar, encenar, praticar a justiça e criar meios de solidariedade; Deus não é rival da liberdade humana, mas seu maior incentivador.
Portanto, Deus nos livre de um Brasil evangélico.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

NIEMAYER NÃO DISSE, MAS DEVERIA TER DITO.



Apesar do erro em penico, o cara que bolou este pensamento e o atribuiu ao grande arquiteto foi muito criativo.

MARAVALHAS ARDENTES - Zé da Luz

Página 2 do opúsculo Maravalhas Ardentes, publicado em março de 1993

"Psicologia Ambiental, Poesia e Cultura da Paz."

MOMENTOS DISCURSIVOS/SIMPÓSIO

No período de 20 a 21 de Abril, próximo passado, promovido pela Laboclínica Trairi e pela Associação dos Poetas e Escritores de Santa Cruz/RN (APOESC), ocorreu o Simpósio: “Psicologia Ambiental, Poesia e Cultura da Paz”.

O diretor da Laboclínica Dr. Aderson Leão saudou os participantes, fez abertura dos trabalhos e apresentou a programação que foi desenvolvida durante o evento, que teve palestras, show poético-musical e programa radiofônico.

A psicóloga Graça Medeiros ministrou palestra sobre cultura da paz e o médico psiquiatra preparou texto-reportagem sob o título: “Da Serra do Doutor a Ilha do Flamengo– Uma Incursão pela Psicologia Ambiental do Rio Trairi”.

A estudante de psicologia Tiara Andrade deu suporte técnico a apresentação da psicóloga Graça Medeiros, que discorreu sobre a temática da cultura da paz, abrindo o ciclo de debates.

Com a admiração da ministrante Graça Medeiros e a escuta atenta da universitária Tiara, o pesquisador Aucides Bezerra de Sales fez a primeira intervenção sobre o que é cultura.
Entre as conferências, ocorridas no salão de recepções da Pousada Riviera, a professora e poetisa Fátima Cavalcante recitou de sua autoria poema sobre a programação e os objetivos do simpósio.
“Laboclínica Trairi / Apresentação genial / Um simpósio com o tema / A psicologia ambiental / Poesia, cultura da paz / E o poético é musical”, eis a primeira estrofe da poesia de Fátima Cavalcante.
“E o objetivo do simpósio? / Tem sim... é desenvolver / Atividades científicas / Socioculturais no ser / Que os temas apresentados / Se queira mais conhecer”, recitou a poetisa.

Entre uma conferência e outra houve uma exposição de esculturas em madeira, instrumentos de percussão, acervo bibliográfico sobre o legado da cultura Indígena, particularmente as nações potiguaras e tapuias.

A mídia eletrônica repercutiu o texto-reportagem apresentado pelo médico psiquiatra e pesquisador social Epitácio de Andrade Filho, sob o título: “Da Serra do Doutor a Ilha do Flamengo – Uma Incursão pela Psicologia Ambiental do Rio Trairi”,publicada pelos Blogs do sargento Andrade e da APOESC.

Texto-reportagem sobre Rio Trairi

O médico Epitácio de Andrade Filho foi apresentado pelo farmacêutico e empresário Aderson Leão como integrante da equipe técnica da Laboclínica Trairi, onde desenvolve atividades na especialidade de psiquiatria clínica.

“Da Serra do Doutor a Ilha do Flamengo”, é uma ‘viagem’ pelo curso do Rio Trairi, desde suas nascentes até a desembocadura, explorando alguns conceitos da psicologia ambiental e suas relações com passagens históricas com a realidade psicossocial das populações ribeirinhas.

A platéia que compareceu as conferências foi por demais seleta e atenta, formada por intelectuais, policiais militares, professores e representantes de instituições públicas.

Com a participação de representantes da secretaria de cultura e de saúde locais ficou proposto levar a apresentação do conteúdo das conferências para outros espaços envolvendo outras clientelas.

CPI pede indiciamento de diretores do Ecad


Por Tatiana de Mello Dias                          Fonte: ESTADÃO

Superintendente e membros da diretoria devem ser indiciados; senadores falam em ‘cartel’ e pedem nova lei

SÃO PAULO – Oito diretores do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição – o Ecad – devem ser indiciados, incluindo a superintendente da instituição, Glória Braga. No relatório final da CPI do Ecad, divulgado nesta terça-feira, 24, os deputados falam em crime de falsidade ideológica, apropriação indébita, agiotagem e crime contra a ordem econômica.

Segundo os senadores, os documentos e depoimentos colhidos pela CPI “revelam, à exaustão, que a Assembleia Geral do Ecad transformou-se em uma confraria de lesa cultura, cujas decisões, tomadas sem critérios e sem transparência, eliminam o elemento negocial na fixação de preços pela utilização dos direitos autorais”.
Serão indiciados Glória Braga, superintendente do Ecad, e os diretores de sete associações de direitos autorais que compõem o Ecad, como Roberto Mello (da Abramus), José Antônio Perdomo Corrêa (diretor da UBC) e Denis Lobo (presidente da SBACEM).

Desembargador Osvaldo Cruz teve um princípio de infarto


O ex-presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador Osvaldo Cruz, teve problema cardíaco e será submetido a uma cirurgia na quinta-feira (26). Osvaldo Cruz poderá ser submetido a um cateterismo e, por isso, está praticamente descartada a presença do desembargador afastado em Brasília amanhã, onde prestaria depoimento ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre as acusações de fraudes no TJRN.
[...]
Tribuna do Norte


O VALENTE CAÇADOR - Adriano Bezerra



Todo caçador valente
Quando vai caçar não tarda
Acorda cedo e contente
Prepara a sua espingarda,
Bota um coturno, um casaco...
Depois pega seu bisaco
Coloca dentro o carrego,
Bota água e rapadura,
Uma faca na cintura,
E deixa o seu aconchego.

Um cachorro perdigueiro
Leva em sua companhia
Pra sentir da caça o cheiro
Em meio a mata sombria
De vez em quando é ouvido
Ao longe o forte estampido
Do cão latindo acuado
Fazendo grande clamor
Pra dizer ao seu senhor
Que algo foi encontrado.

Depressa, muito ligeiro,
O valente caçador
No seu rumo vai certeiro
Guiado por seu clamor
Chegando lhe vê pegado
Com o bicho dominado
Nisso grita bem veloz:
Amigo solta ele agora!
E o cão na mesma hora
Obedece a sua voz.

Quando retorna a morada
Ligeiro sem descansar
Debaixo d’uma latada
Os bichos põe-se a tratar
Pra logo depois então
Comê-los na refeição
Pois é um caçador nato,
Com coragem e com bravura,
E quando acaba a mistura
Ele vai buscar no mato.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Senadores contrários à CPI




SERÁ QUE ISSO ACONTECE MESMO?

Ouça ESTUDO ERRADO


 


Matrículas Abertas

SALÁRIOS

MADRUGADA - Cancão

"Como pode um poeta analfabeto construir coisa tão linda!? o poeta "cancão" é espetacular." - Hélio Crisanto


MORREU MARIA PREÁ - Itanildo Medeiros


Morreu Maria Preá!!!
Esse ditado famoso
eu comecei a pesquisar
porque fiquei curioso.
Depois de revirar tudo
descobri com muito estudo
e pergunta em banda de lata,
que um padre num interior
tinha um chamego, um amor,
um caso com uma beata.

Bonita e muito formosa
Maria Preá é o seu nome
essa beata fogosa
do padre tirava a fome,
e sempre que ele podia
com ela ele se escondia
pra poderem se agarrar.
Mas um dia o sacristão
flagrou os dois num colchão,
o padre e Maria Preá.

E depois dessa orgia
o padre perdeu o sossego.
O sacristão todo dia
alegava esse chamego
e chantageava o vigário,
fazia ele de otário
ameaçando contar.
Deixava o padre com medo
que vazasse esse segredo
dele e Maria Preá.

Sem saber o que fizesse
com o sacristão lhe explorando
pois tudo que ele quisesse
o padre ia logo dando,
com medo que a cidade
descobrindo essa verdade
ficasse escandalizada,
pediu a Deus uma luz
pra lhe tirar dessa cruz
dessa exploração cerrada.

Até que um dia o vigário
viajou pra ali pertinho.
Foi rezar um novenário
num município vizinho.
Esqueceu de um documento
e notando o esquecimento
parou no meio da estrada,
deu meia volta e voltou,
mas quando em casa chegou,
Ah, que surpresa danada!!!

O padre entrando apressado
na casa paroquial,
viu o sacristão curvado
em decúbito dorsal,
nu da cintura pra baixo
por trás dele um outro macho
numa movimentação
que o padre, vendo, notava
que o rapaz encalcava
as fezes do sacristão.

Assistindo aquela cena
mas lembrando do passado,
o padre ficou com pena
e também aliviado.
Mas, mesmo com a vergonha
daquela cena medonha,
o padre gritou de lá:
Sacristão, se oriente
pois, pra nós, daqui pra frente,
MORREU MARIA PREÁ!




terça-feira, 24 de abril de 2012

CARREGO MINHA ESPERANÇA NUMA NUVEM CARREGADA - Hélio Crisanto


Não vejo sinal de inverno
Olhando o quebrar da barra
Ouvindo o som da cigarra
E a mata murchando o terno
O sertão vira um inferno
Numa cena desolada
O homem pede invernada
Implorando por bonança
Carrego a minha esperança
Numa nuvem carregada.






segunda-feira, 23 de abril de 2012

Faça um bom uso

Pé biônico reproduz músculos e movimentos humanos com perfeição




As próteses atuais, por mais tecnológicas que pareçam, ainda não emulam um braço ou uma perna suficientemente bem. A esperança mais próxima de alcançar esse realismo reside no BiOM, um pé biônico que está impressionando cientistas da área e pacientes que perderam parte do membro inferior em acidentes de trabalho ou no exército.
De acordo com a Forbes, a diferença é que a tecnologia envolvida na criação do BiOM é capaz de reproduzir cada região dessa parte do corpo, como o tornozelo e o calcanhar, utilizando materiais sintéticos que se assemelhem ao máximo com tecidos e ossos da região.
Com isso, quem usa a prótese acaba cansando muito menos ao caminhar, já que a pessoa gasta a mesma quantidade de energia que era usada antes do acidente. A adaptação ao membro biônico também é mais eficiente, já que o cérebro “reconhece” o acessório com mais precisão e reacostuma  a pessoa aos movimentos naturais dos pés.
A ideia da iWalk, responsável pelo desenvolvimento da prótese, é aplicar a mesma tecnologia em membros biônicos que substituam outras parte do corpo, além de investir no comércio em massa das peças já existentes.


Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/protese/22467-pe-bionico-reproduz-musculos-e-movimentos-humanos-com-perfeicao-video-.htm#ixzz1sqtvFExd

Mensagem de Lysia Condé



Sexta e sábado, estive em Santa Cruz (RN) participando do simpósio "Psicologia Ambiental, Poesia e Cultura de Paz", a convite de Epitácio Andrade e da APOESC (Associação de Poetas e Escritores de Santa Cruz). Que trabalho bacana de valorização das artes, a APOESC vem fazendo naquela cidade! Fiquei feliz ao ver o entusiasmo de talentosos poetas à frente de iniciativas de valorização da cultura local. Agradeço a Epitácio Andrade, Hélio Crisanto e Gilberto Cardoso Dos Santos o convite para a apresentação musical no simpósio e entrevista na FM 87,9. Parabéns pelo trabalho que vocês vêm desenvolvendo!

domingo, 22 de abril de 2012

Performance de Cláudio Saraiva - Epitácio Andrade

Cláudio Saraiva em excelente performance durante o Simpósio: "Psicologia Ambiental, Poesia e Cultura da Paz", realizado no período de 20 a 21 de Abril, em Santa Cruz/RN. Na platéia, estavam Lizandra Farias, Marcelo Leão, Alessandra Lopes, Tiara Andrade, Cristina Claudia, Aucides Bezerra de Sales, Gilberto Cardoso Dos Santos, Adriano Bezerra, Hélio Crisanto e Élio/Lysia Condé, testemunhando quando Cláudio Saraiva oferecia "Telegrama", de Zeca Baleiro, ao artista circense ALBERI SILVA!

LYSIA CONDÉ na Santa Rita FM

Sábado, 21 de março de 2012, tivemos o privilégio de receber em nossos estúdios a cantora Lysia Condé que cantou e nos falou de sua carreira musical. A gravação foi feita por Rone Von. Cláudio Saraiva a acompanhou no violão.

No video abaixo, ela canta a música Estradeiro, com melodia de Zeca Brasil e letra de Hélio Crisanto.

sábado, 21 de abril de 2012

NÃO REAJA!

Hoje ganhei o dia - Naílson Costa


Imagem meramente ilustrativa
Hoje ganhei o dia. Transeunte em uma pequena viela, vi um cão bebendo água, água não, lama fedida.
O bicho estava numa animação que dava pena. Lepo, lepo, lepo, cada linguada dada na lama me fazia feliz, ou não. O animal, com a minha intrusa aproximação, reverenciou-me, e, educadamente, parou, pra não me sapricar. Passei.
Queria ser fotógrafo naquele momento pra, talvez, captar o que se passava be...m dentro dos sentimentos daquele serzinho sedento. Aquela imagem continua transitando por entre a fiação eletroudomagneticamente louca dos meus neurônio poucos. Talvez eu a reproduza mais tarde, quando eu adentrar meu universo ébrio e abrir as portas de minhas palavras sufocadamente presas.
 
Hoje ganhei o dia, vi um cãozinho bebendo água. E fingi estar feliz o dia todo!

sexta-feira, 20 de abril de 2012

VOCÊS CONCORDAM COM ELE?

MÚSICA FAZ BEM À SAÚDE


Ouça nossa RÁDIO APOESC

ou cante.

“Da Serra do Doutor a Ilha do Flamengo”

– Uma Incursão pela Psicologia Ambiental do Rio Trairi



O Trairi é um rio integralmente potiguar. Principia na Serra do Doutor, em terras dos municípios de Campo Redondo e Coronel Ezequiel, banhando Santa Cruz, Tangará, Boa Saúde, Lagoa Salgada, Monte Alegre, São José do Mipibu e Nísia Floresta. Em direção ao litoral, forma as lagoas Papari e Papeba, desaguando no oceano atlântico através da Laguna de Guaraíras, entre os municípios de Tibau do Sul e Senador Georgino Avelino.

A imprecisão do local de suas nascentes se dá pela sua formação inicial ocorrer pela junção de uma malha dendrítica de pequenos riachos oriundos da Serra do Doutor, na fronteira dos municípios de Coronel Ezequiel e Campo Redondo, e possivelmente, da Serra de Picuí, no vizinho estado da Paraíba. Por essa razão, o pesquisador social Epitácio Andrade afirma “ser o Rio Trairi órfão de mãe”.

O poeta e cantador Hélio Crisanto, em seu livro “Retrato Sertanejo”, recita em versos o sofrimento do rio:
“Meu Rio Trairi, tu hoje agoniza/Em meio a dejetos, cimento e monturo/Ao invés de água, um óleo escuro/Percorre cansado, tecendo a divisa/O teu extermínio choca e barbariza/Quem te viu frondoso, limpo a vicejar/Mas hoje só resta a nós lamentar/Pois braços de lama abraçam seu leito/E o homem inclemente sem dó e respeito/Olhando a sujeira que corre pro mar”.
Talvez seja pela ocupação antrópica recitada pelo poeta, que o médico psiquiatra Epitácio Andrade afirme que “o Rio Trairi é filho de pai perverso”.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

CORRUPÇÃO

UNIDADE DE AMOR - Murilo Mendes (1901-1975)


As namoradas que tive
Ressuscito no teu corpo,
Elas falam por tua voz.
A mulher é uma só,
As formas é que variam.
Tua pele é quase igual
Às de três que conheci,
Certas maneiras de olhar,
De remexer os quadris,
Certos caprichos e dengues;
Ligada estás pelo sangue
Às tuas irmãs de vida,
Por isso me consolei
Da perda das outras três;
Não és minha namorada:
Representas, sem saberes,
Minhas quatro namoradas,
O amor é um amor só.

Falar sozinho deixa você mais inteligente

Estudo comprova que diálogos consigo mesmo aumentam função cognitiva.

Uma boa notícia para quem costuma travar diálogos longos e complexos entre si mesmo: isso não significa que você está ficando louco – mas essas conversas solitárias podem aumentar sua inteligência, já que aceleram o lado cognitivo do cérebro.

+ DETALHES