APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Um cabaço num pau dependurado Guarda a água da seca nordestina - Hélio Crisanto


Num lamento resmunga a natureza,
Um burrego faminto cambalêia,
Uma cobra com fome serpenteia
Procurando em vão a sua presa.
A cacimba cavada na represa
Não tem água sequer que molhe a tina
E o caboclo cansado se amofina
A caatinga resseca e morre o gado
Um cabaço num pau dependurado
Guarda a água da seca nordestina
(Hélio Crisanto)









Num lamento resmunga a natureza,
Um burrego faminto cambaleia,
Uma cobra com fome serpenteia
Procurando em vão a sua presa.
A cacimba cavada na represa
Não tem água sequer que molhe a tina
E o caboclo cansado se amofina
A caatinga resseca e morre o gado
Um cabaço num pau dependurado
Guarda a água da seca nordestina

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Livro menos indigesto sobre a ciência - Marta Tavares



ciência tem produzido coisas maravilhosas e intrigantes há mais de 300 anos, no entanto, o ensino de Ciências nas escolas tornou-se monótono e os livros não atraem os estudantes. Este argumento é utilizado pelo autor Bill Bryson  que afirma que a prosa sem vida dos livros padrões de ciência, não alimenta nossa curiosidade inata sobre o mundo natural.
Bryson insiste que os resultados dos estudos científicos podem ser fascinantes e muitas vezes o são. O truque é escrever sobre eles de uma maneira compreensível. O autor, então, nos mostra como isso deve ser feito. E ele trata de temas como pesos atômicos, a relatividade e da física de partículas, placas tectônicas, etc. sem nos meter medo. Ele nos faz compreender as leis que regem nosso planeta, sem nem percebermos que estamos aprendendo. O autor confessa que não entendia nada sobre os assuntos que escreveu,mas fez a pesquisa, e nos apresenta tudo como se fosse uma reportagem,
No livro também há espaço para descobertas recentes e algumas fofocas, como Bryson gosta de fazer. Além de vinhetas históricas. Um livro que serve como um guia menos indigesto sobre a ciência.
BRYSON, Bill. Breve história de quase tudo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

2 POETRIX - Kiko Alves



SÓ PRA MEU DELEITE

Te desenhei no espelho
E pintei tua boca
Com batom vermelho



ROSA DOS VENTOS

Rosados ventos
Colore rotas
com tempestades

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

ENTRE O AR E O FOGO - Teixeirinha Alves


Conhecer as histórias daqueles(as) que perderam a vida na tragédia de Santa Maria/RS nos faz repensar profundamente o sentido de nossa existência. Não vou aqui fazer nenhuma grande reflexão, pois, além de se tornar maçante, este texto seria longo e não substituiria a autoavaliação de cada um que lê (aliás essa autoavaliação é o que de fato importa!)
            Eram jovens (muito jovens!), belos, inteligentes, estudiosos, ... Eram o futuro de seus Estados, de suas cidades, de nosso país, de si mesmos. Cada um com positivas histórias familiares, profissionais, pessoais.
            Naquela fatídica noite, no momento crucial, não lhes interessava nada que nossa tola civilização criou. Eles só queriam ar, o simples ar: puro, limpo, gratuito, sem pompas, sem estratos, sem destaques, sem mistificações.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O MOÇO E O VELHO - Agostinho Ribeiro


Ouçam a comparação feita entre o moço e o velho pelo sanfoneiro e poeta Agostinho Ribeiro, com quem fiz uma ótima entrevista a ser publicada em breve:

O MOÇO E O VELHO

domingo, 27 de janeiro de 2013

PENSAMENTOS DE ARIANO SUASSUNA


"Sou a favor da internacionalização da cultura, mas não acabando as peculiaridades locais e nacionais".

"Arte pra mim não é produto de mercado. Podem me chamar de romântico. Arte pra mim é missão, vocação e festa".

"Jamais falei mal de Molière, mas querer que eu aceite Elvis Presley já é demais".

"A massificação procura baixar a qualidade artística para a altura do gosto médio. Em arte, o gosto médio é mais prejudicial do que o mau gosto... Nunca vi um gênio com gosto médio."

"… que é muito difícil você vencer a injustiça secular, que dilacera o Brasil em dois países distintos: o país dos privilegiados e o país dos despossuídos."

"Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas"

"O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso."

"Eu digo sempre que das três virtudes teologais , sou fraco na fé e fraco na qualidade, só me resta a esperança."

"Depois que eu vi num hotel em São Paulo um show de rock pela televisão, nunca mais eu critiquei os cantores medíocres brasileiros. Qualquer porcaria como a Banda Calypso ainda é melhor que qualquer banda de rock."

"Não tenho medo de andar de avião como muitos dizem. O que eu tenho é tédio. Não agüento mais olhar aquelas aeromoças fazendo um teatro mímico para mostrar aos passageiros como usar às máscaras de oxigênio em caso de despressurização, e a porta de emergência."

"Em vez de porta-aviões, os americanos hoje mandam Michael Jackson e Madonna para dominar o Brasil."

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Mal Tirano


Zenóbio Oliveira

Faço sonetos com quem me calunia!

As palavras que se geram em ventre insano,
Das mentes podres e irracionais,
Ganham vida nas bocas imorais,
E perpetuam-se de vez. (Oh mal tirano).

Alimentadas pelo próprio engano,
Agigantam-se em formas colossais,
E tornam-se verdades surreais,
À custa, sempre, do alheio dano.

E hoje também me torno vítima,
Da palavra suja e ilegítima,
Do discurso ímprobo, da sandice,

Procurando no livro da razão,
O silogismo da minha alegação,
Pra poder desdizer o que eu não disse.

SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA REALIZARÁ CREDENCIAMENTO DE ENTIDADES CULTURAIS E ARTISTAS LOCAIS



                      

                                                                                        SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA-SEMUC



Convocação de entidades Culturais e Artistas locais para Credenciamento
       
        A Prefeitura de Santa Cruz, por meio da Secretaria de Municipal de Cultura (SEMUC), representada neste ato pelo seu representante legal Sr. José Edgar lima dos Santos, torna público para conhecimento dos interessados que a partir de 28 de janeiro do ano de 2013,estarão abertas as inscrições para credenciamento (mapeamento) de entidades Culturais e   artistas locais, com o objetivo inicial, de qualificação jurídica e fiscal.

       A documentação deverá ser entregue, em envelope constando a expressão:“MAPEAMENTO CULTURAL DE SANTA CRUZ”, Os interessados deverão apresentar em original, por qualquer processo de cópia autenticada em cartório, os seguintes documentos:

Pessoa Jurídica:

a) RG e Comprovante de endereço do responsável;

      b) Prova de Inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ;

      c) Certidão negativa de débito com a Fazenda Municipal de  Santa Cruz,

Estadual e Federal;

     d) Registro comercial, no caso de firma individual;

     e) Cópia de Ato constitutivo, Estatuto ou Contrato Social com alterações, inclusive a que está em vigor, devidamente registrado, em se tratando de associações, fundação, sociedades comerciais entre outros.

Pessoa Física:

a)      Prova de Inscrição no Cadastro de Pessoa Física (CPF);

b)     RG e Comprovante de endereço;

      c) Certidão negativa de débito com a Fazenda Municipal de Santa Cruz,  Estadual e Federal;

Observação: As certidões apresentadas deverão estar em vigência.



Qualificação Técnica (Pessoa Física e Pessoa Jurídica)

Deverão anexar junto aos documentos exigidos:



a) Currículo de atuação na área cultural, contendo dados pessoais e culturais

b) Release comprobatório de experiência na área correlata tais como: reportagens jornalísticas, em jornal, CDS, DVD´s  lançados, cartazes, folders, livros, artigos, reportagens de sites oficiais, entre outros, que demonstre o reconhecimento da entidade/grupo ou artista perante a opinião pública ou apreciação da crítica especializada;


Observação: As entidades ou artistas que porventura já estiverem cadastrados/credenciados na Secretaria Municipal de Cultura deverão preencher formulários atualizando os dados cadastrais e anexando a este, documentos atuais.



O credenciamento será realizado de 28 de janeiro a 28 de fevereiro nos  dias úteis, das 08:00 às  12:00 h e das 13:30 ÁS 17:30 horas, no seguinte endereço:

TEATRO MUNICIPAL CANDINHA BEZERRA-Secretaria Municipal de Cultura - Rua Lourenço da Rocha,40, Centro, Santa Cruz, CEP: 59.200-00, contato: 084-3291-4013 Cel. 084-8777-0531- E-mail: cultura@santacruz.rn.gov.br


José Edgar Lima Dos Santos
SEMUC-SANTA CRUZ

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

CENÁRIO DE ONTEM E DE HOJE - Maciel




Um pedinte pelas portas
Dois meninos quase nus
Três diletos urubus
Quatro vidas quase mortas
Cinco bocas, todas tortas
Seis senhores excluídos
Sete amantes traídos
Oito senhoras feiosas
Nove moças bem mimosas
Dez desejos retraídos.

Um pedinte a outro homem
Dois meninos mal vestidos
Três urubus destemidos
Quatro vidas que se somem
Cinco bocas que mal comem
Seis senhores esquecidos
Sete amantes sofridos
Oito senhoras dengosas
Nove moças bem formosas
Dez desejos proibidos.

domingo, 20 de janeiro de 2013

O COMÉRCIO DA FÉ



OS SEIS LÍDERES EVANGÉLICOS MILIONÁRIOS, SEGUNDO A "FORBES"
NomeFortunaIgreja
Edir MacedoR$ 2 biIgreja Universal do Reino de Deus
Valdemiro SantiagoR$ 400 miIgreja Mundial do Poder de Deus
Silas MalafaiaR$ 300 miAssembleia de Deus Vitória em Cristo
R.R. SoaresR$ 250 miIgreja Internacional da Graça de Deus
Estevam Hernandes Filho e bispa SôniaR$ 120 milhõesIgreja Renascer




sábado, 19 de janeiro de 2013

Falta o fermento do amor No pão da humanidade - Hélio Crisanto


A ira alimenta a guerra
O ódio evenena a alma
O bem nos transmite calma
O crime adoece a terra
O bom perdoa quem erra
O fraco acende a maldade
E o poder da caridade
Gera paz interior
Falta o fermento do amor
No pão da humanidade

Mosca Branca Pesquisadores Constatam Praga do Cajueiro no Litoral Sul Potiguar

Lindomar Izídio e Epitácio Andrade em área atacada

No último dia 04 de janeiro, o engenheiro agrônomo Lindomar Izídio de Lima e o médico sanitarista Epitácio de Andrade Filho começaram a fazer um estudo exploratório em regiões do litoral sul potiguar para diagnosticar e propor intervenções no problema caracterizado pela infestação de cajueiros pela praga da mosca branca e suas possíveis repercussões nas atividades e saúde humanas.
A praga se caracteriza pela infestação parasitária do inseto conhecido como “mosca branca do cajueiro” que coloniza os cajuais e deposita suas fezes açucaradas na folhagem da planta, favorecendo o desenvolvimento de um fungo fitopatogênico denominado de “fumagina”, que impede a fotossíntese e atraem outros insetos como formigas.
  

Mosca Branca do Cajueiro
A evolução fitopatológica da praga acarreta diminuição acentuada da produtividade da planta, motivada pelo desfolhamento causado pelo ataque da mosca e pelo desenvolvimento da “fumagina”.
Folha atacada por “Fumagina”

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

SOU CABÔCO NORDESTINO E TENHO ORGULHO DE SER - Adriano Bezerra


Fui criado no roçado
Puxando cabo de enxada,
Tomando leite e coalhada,
Tangendo e zelando o gado,
Nos pés de fruta atrepado,
Colhendo para comer,
Brincando ao entardecer
No oitão, quando minino
SOU CABÔCO NORDESTINO
E TENHO ORGULHO DE SER.



Quem quiser pode glosar no mote de Adriano - Gilberto 

Hélio Crisanto:

Levantava bem cedinho 
Pra armar o meu quixó 
Preá, punaré, mocó 
Eu comia no ranchinho 
Pra brincar de adivinho 
Um casulo eu ia ver 
Depois queria saber 
O rumo do meu destino 
Sou caboclo nordestino 
E tenho orgulho de ser

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

REMINISCÊNCIAS DA PRAIA DE PONTA NEGRA - Naílson Costa


A primeira vez que fui à praia de Ponta Negra, tinha 9 anos. Foram 2 ônibus com a excursão dos professores do Quintino Bocaiúva. Mamãe era professora de lá. Um dos ônibus, lembro-me muito bem, era dirigido por Léo e o outro por Seu... esqueci o nome dele agora (o pai de Souza). Os adultos foram cantando da praça até a praia aquela música "A praia estava deserta, o sol brilhava no céu, e eu contente cantava pra você Maria Isabel. Pegue a sua esteira e o seu chapéu, vamos para a praia que sol já vem, piruliluli, pan pan pan pan". Fiquei encantado com os coqueirais, ao lá chegar, com os pescadores, suas jangadas, sua enorme rede pra mais de metro arrastando do mar os peixes, sua pequena Vila, os banhistas (farofeiros - carne assada, galinha torrada, suco, cachaça para os homens crescidos e água dentro das caixa térmicas. Ponta Negra era lindo demais! Não tinha nada que denunciasse a imbecilidade da destruição da natureza e da ambição desmedida do capitalismo dos homens de hoje. Da BR 101, no entroncamento do viaduto para adentrar na Av. Roberto Freire de hoje, a estrada até a praia eram areias brancas das dunas da praia de Ponta Negra, ladeada por uma mata atlântica cheirosa de brisas inesquecíveis, frutas tropicais e sua rica flora e fauna. Voltamos às 17 horas, mais vermelhos do que um camarão, apesar de, naqueles tempos, a camada de ozônio estar intacta. Despelamos por uma semana, mas a lembrança da verdadeira Ponta Negra, essa nunca vai despelar, pois fora tatuada num dos cantinhos mais carinhosos e protegidos de meus melhores dias!

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

IMPORTANTES ESCLARECIMENTOS SOBRE A REALIZAÇÃO DO AUTO DE SÃO SEBASTIÃO - Débora Raquiel



Fiquei bastante preocupada com as notícias publicadas em notas de vários blogs do estado, dando ênfase ao Auto de São Sebastião. O Projeto não captou recursos, a título de esclarecimento. O Projeto foi idealizado numa tarde de novembro de 2012, quando na CCP de Santa Cruz, a classe artística se reuniu para discutir uma possível viagem a Itália, com Auto de Santa Rita. Não estamos sendo pagos por nenhuma entidade diga-se de passagem. O apoio que recebemos foi somente o incentivo, estímulo e força de vontade da Prefeitura de Sítio Novo, que abraçando a idéia, deu o pontapé inicial na gravação do cd, na compra de material cênico e suporte para customização do figurino cedido por um grupo de São Gonçalo do Amarante. As demais parcerias como São Bento e Japi, apenas entraram com trasporte para o elenco e alimentação. Todo esforço empenhado no projeto fora tão somente para fortalecer o Trairi, não imaginamos que o resultado seria tão grandioso, nem muito menos que seria tão calorosa a recepção da mídia. Quando digo que me causa espanto, é que noto as hipérboles, os jargões...agora a pouco lí que multidões receberam o auto na estréia...e blá,blá,blá... peraí só falta dizer que foi 250 mil que recebemos para montar. No mais, fico grata à imprensa que usa de imparcialidade, que não pega carona em trabalho de ninguém para auto promoção, que procura as fontes corretas para veicular uma notícia tão séria quanto nosso trabalho. No tocante, aproveito para externar minha profunda consideração, admiração e respeito pelos profissionais envolvidos, que abdicaram seu tempo de lazer para pensarem um projeto tão marcante para a história do Trairi.

Ficha Técnica:

Direção: Edmilson Rocha
Assistente de Direção: Fabio Lopes
Texto: Gilberto Cardoso Guarani Kaiowá Dos Santos
Músicas: Camilo Henrique e Gilberto Cardoso / Arranjos: Camilo Henrique e Jademir Barbosa / Trilha Sonora: Jademir Barbosa
Voz: Jady Ladiery e José Paulo Farias
Coreografia: Rosy Silva
Figurino: Beto Silver
Produção: Najara, Rafaela e demais envolvidos
Colaboração: Jamilly Mendonça, Aylane, Andriêr Alex, primeira dama Rivagma , Rosigma, Alan, Nira de Missinho.
Apoio: Prefeitura Municipal de Sítio Novo
Coordenação geral: Débora Raquiel



HOMENAGENS PÓSTUMAS AO POETA ADEMAR MACEDO






Morte de Ademar Macedo




Queridos...
Venho por meio desta informar-lhes, que o nosso querido Ademar veio a falecer no inicio da manhã de hoje, 15 de 01 de 2013.

Passou por uns dias de sofrimento, mas nesta manhã seu sofrimento parou, e agora já não há sofrimento pra ele.

O velório será na funerária Santa Ana  Situado na Av. Hermes da Fonseca Nº 1131  (Próximo à AABB) - Provavelmente a partir do inicio da tarde.

O Sepultamento, será no Cemitério de Nova Descoberta às 17:00 hs.

Agradeço pela atenção e apoio dos amigos.


Att, Marcílio Sales.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

O PENSAMENTO ESPIA O FUNDO DO INFERNO - Bertrand Russell



O homem teme o pensamento como nada mais sobre a terra, mais que a ruína e mesmo mais que a morte. O pensamento é subversivo e revolucionário, destrutivo e terrível; o pensamento é impiedoso com os privilégios, com instituições estabelecidas e com hábitos confortáveis. O pensamento é anárquico e indiferente à autoridade, descuidado com a sabedoria curada pela idade. O pensamento espia o fundo do inferno e não se amedronta. Ele vê o homem como um frágil graveto circundado por desmesurados abismos de silêncio. Não obstante, ele se porta orgulhosamente, imutável, como se fosse o senhor do universo. O pensamento é grande, ágil e livre, é a luz do mundo e a verdadeira glória do homem. Mas se for para fazer do pensamento a possessão de todos e não o privilégio de alguns, nós teremos que acabar com o medo. O medo que restringe o homem.Medo de que suas crenças queridas se revelem como ilusões, medo de que as instituições pelas quais vive se provem maléficas, medo de que ele próprio se reconheça menos digno de respeito do que sempre supôs ser. Deveriam os trabalhadores pensar livremente sobre a propriedade? Então o que aconteceria conosco, os ricos? Deveriam os jovens pensar livremente sobre sexo? Que aconteceria então com a moralidade? Deveriam os soldados pensar livremente sobre a guerra? O que aconteceria então com a disciplina militar? Abaixo o pensamento! De volta às sombras do preconceito, sem o que a propriedade, a moralidade e a guerrra estarão ameaçadas. É melhor que os homens sejam estúpidos, indolentes e opressivos, do que sejam seus pensamentos livres. Pois se seus pensamentos se tornassem livres, eles poderiam não pensar como nós. E a qualquer custo, esse desastre deve ser evitado.


Corro e olho na janela - Camila Baracho

Camila Baracho
Sinto cheiro de mormaço
Corro e olho na janela
Vejo lindas rosas amarelas
Balançando ao comando do vento
E se banhando com água que vem descendo

Sinto cheiro de mormaço
Corro e olho na janela
Vejo pessoas agradecendo
Obrigado Deus Pela a água que ta caindo

Sinto cheiro de mormaço
Corro e olho na janela
Vejo crianças gritando e convidando
Vamos tomar banho, pois a chuva ta chegando.

domingo, 13 de janeiro de 2013

DINHEIRO FÁCIL - Sistemas de Pirâmide e Marketing Multinível

Tenho recebido muitos convites para entrar em esquemas financeiros aparentemente promissores. Por causa destes muitos convites, resolvi pesquisar a respeito.
No vídeo abaixo, os humoristas Penn & Teller falam sobre os sistemas financeiros de pirâmides e MMN. Será que há exagero no que dizem? Se houver alguém aqui que tenha participado ou ainda participe de algum desses sistemas, fique à vontade para opinar.

sábado, 12 de janeiro de 2013

PONTO DE INTERROGAÇÃO


Aldenir Dantas
Quando anoitecer,
serei uma estrela espargindo luzes pelos céus da cidade,
ou meteoro, trançando breve risco na escuridão
para cair no nada (que não existe)?

Quando o sol nascer,
serei um pássaro cantando e bailando à arte de viver,
ou mero comensal da mesa dos homens
a entoar, eternamente, a "canção do exílio"?

Aldenir Dantas

Não tem homem neste mundo Mais sem sorte do que eu (um mote para todos)

Hélio Crisanto

Passei vinte e cinco anos
Pra comprar uma fubica
E não escutando a dica
Contrariei os meus planos
Não escutei os meus manos
E veja o que aconteceu
Pois logo o motor bateu
E a cada dia me afundo
Não tem homem neste mundo
Mais sem sorte do que eu.

Maciel:

Vou chegando ao recinto 
Com meu verso pé quebrado 
Depois de eliminado 
Num concurso em Rio Tinto 
Passei o dia faminto 
E Hélio me esqueceu Foi sozim no carro seu 
Me deixou em rancho fundo 
NÃO TEM HOMEM NESTE MUNDO 
MAIS SEM SORTE DO QUE EU.

Kiko Alves:

Paquerei uma vizinha 
Não tirava o olho dela 
Nunca vi mulher tão bela 
Sonhava com ela ser minha 
Fiquei nessa ladainha 
Fui na onda de Morfeu 
Veio outro e c... 
Fiquei com um ódio profundo 
Não tem homem nesse mundo 
Mais sem sorte do que eu.


Adriano Bezerra:

Saí para farrear 
Numa festa de forró 
Toda a noite fiquei só 
Ninguém quis me namorar 
E ainda pra completar 
Vêi um cabra e me bateu 
Meu carro estourou o pneu 
Dentro dum buraco fundo 
NÃO TEM HOMEM NESSE MUNDO 
MAIS SEM SORTE DO QUE EU

Gilberto Cardoso:

Certa vez uma cigana
agarrou a minha mão 
e disse logo: "ganjão,
tu vai ganhar muita grana
vais passar uma semana
em um país europeu."
com lábia me envolveu
e me roubou num segundo
Não tem homem nesse mundo 
Mais sem sorte do que eu.

Kiko Alves:

Fui sorteado num bingo 
Ganhei um big carrão 
O bicho era um avião 
Passeei todo o domingo 
As muié pra mim sorrindo 
De repente escureceu 
Não sei que diabo deu 
Rasgou-se a rede no fundo 
Não tem homem nesse mundo 
Mais sem sorte do que eu 


Adriano Bezerra:

Fui pra cidade vizinha
Pra uma apresentação
Foi tudo uma perfeição
Mas na hora que já vinha
Um amigo meu que tinha
Dentro do carro gemeu
Soltou um pum e correu
Me deixando moribundo
NÃO TEM HOMEM NESSE MUNDO 
MAIS SEM SORTE DO QUE EU.


Gilberto Cardoso:

O poeta Adriano
se assustou com o pum
foi um mau cheiro incomum
que nos causou desengano
foi um ato desumano
que Zé Paulo cometeu
o ambiente fedeu
com o ar nauseabundo
Não tem homem nesse mundo 
Mais sem sorte do que eu.



KIKO ALVES:

Ontem tava amargurado 
Fui na banca de Rosinha 
Tomei uma cachacinha 
Depois lhe falei fiado 
Ela disse: ô seu viado! 
Esse corno endoideceu? 
Me pague o que bebeu 
Pé-de-cana, vagabundo! 
Não tem homem nesse mundo 
Mais sem sorte do que eu 

Hélio Crisanto:

Vendo Adriano correr 
Com medo do tiroteio 
Menino saia do meio 
Senão você vai morrer 
Chame um cabra pra prender 
Esse cagão cireneu 
A cidade apodreceu 
Zé Paulo melou o fundo 
Não tem homem neste mundo 
Mais sem sorte do que eu.

Gilberto Cardoso:

Quando Zé Paulo cagou
riu igual uma hiena
e tentou sair de cena
mas a catinga ficou
Hélio logo amarelou
Adriano enlouqueceu
um gato velho morreu
explodindo pelo fundo
Não tem homem neste mundo 
Mais sem sorte do que eu.

Kiko Alves:

Já deu na televisão 
Agora tá explicado 
O que foi noticiado 
Sobre a grande explosão 
Foi o peido de um cagão 
Até em Natal tremeu 
E o epicentro se deu 
Em um fiofó furibundo 
Não tem homem nesse mundo 
Mais sem sorte do que eu.

Hélio Crisanto:

Eu saindo de São Bento 

Depois de uma boa estreia 
Entrei logo na boléia 
Cheio de contentamento 
Mas logo me veio um vento 
Deixando o carro no breu 
Gilberto logo correu 
Num desespero profundo 
Não tem homem neste mundo 
Mais sem sorte do que eu.