APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

CERRADO, LAR DO LOBO GUARÁ - CARLOS DANILO



UM BIOMA BEM DIVERSO
COM MILHÕES DE NOVAS ESPÉCIES
LOBO GUARÁ TUA EXTINÇÃO NÃO IMPEÇO...
TU NADA DISSO MERECES.




TAMANDUÁ-BANDEIRA
GRANDE LIDER DO SERTÃO
TUA EXTINÇÃO É A PRIMEIRA
PREOCUPANDO A MULTIDÃO.
 
EMA: ARÍSCA E LIGEIRA
NÃO TANTO QUANTO TEU SUMIÇO
TEU NOME ESTÁ INDO PARA A FOGUEIRA
SE PERDENDO NESTE REBULIÇO.

SERIÉMA DAS MATAS DESCAMPADAS
TEU CANTO EXTRIDENTE
E TEU SUMIÇO DAS CHAPADAS
DEIXOU-NOS PREOCUPADOS DE REPENTE.

SEU TUCANO-AÇU
TEUS GRITOS DESTACARAM SUA PRESENÇA
E POR ISSO O HOMEM TE DEIXOU NO FUNDO DO BAÚ
ESQUECENDO TEU CANTO MELHOR QUE ALCEU VALENÇA.
 
QUERIDA ARARINHA AZUL
PEQUENINA E MUITO BELA
RELEMBRADA POR BLUE
NA HISTÓRIA RIO, QUE FOI UMA HISTÓRIA BELA.

O VELHO TATU-CANASTRA
DESTAQUE LÁ NO SERTÃO
SEU SUMIÇO SE ALASTRA
CORRENDO PELA MULTIDÃO.

E O CAUSADOR DESSE DESASTRE
TAMBÉM ESTÁ EM EXTINÇÃO?
O SER HUMANO É UM MESTRE
NA ARTE DA EXTINÇÃO.

CARLOS DANILO DA SILVA TEIXEIRA 12/09/2014. POETA TANGARAENSE (13 ANOS)

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

DEZ ANOS SEM DINAMÉRICO - Gilberto Cardoso dos Santos


[...]

Em 31 de dezembro 
Na cidade de Campina 
No ano 2004 
A depressão assassina 
Levou de forma abjeta 
A esse grande poeta 
De maneira repentina. 

Dino cansou dos embates 
No mar de sua existência 
Se jogou no Açude Velho 
Num instante de demência 
A profunda depressão 
Turvou a sua visão 
Alterou-lhe a consciência.

Tinha 46 anos 
Quando a tragédia se deu 
Na cidade de Cuité 
Logo a notícia correu 
Muita gente lamentou 
Quando se noticiou: 
Dinamérico morreu! 

E assim perdemos um vate 
Digno de fulgurar 
Na história paraibana 
Por seu trabalho sem par 
E grande amor à cultura 
decerto em data futura 
Irá se agigantar.

Dino permanece vivo 
Através de seus escritos 
Uma sala em sua honra 
Contém seus textos e ditos 
Que o cuiteense aproveite 
Se aprofunde, se deleite 
Com seus poemas bonitos. 

Até um filme se fez 
Sobre o vate falecido 
Dinamérico, o Poeta 
Foi o título escolhido 
Para o media metragem 
Merecida homenagem 
Feita ao poeta querido.

Um chapéu paira nas águas
Do filme de sua vida
Chapéu que abrigou poemas
Inspiração incontida
Ao partir o menestrel
Retirou o seu chapéu
Em sinal de despedida.


ASSISTA AO DOCUMENTÁRIO SOBRE SUA VIDA, DIVIDIDO EM 3 PARTES:





ACORDO COM DEUS - video do Senta Lá Cláudia

Cláudia Gomes, dona e protagonista do canal

Vale a pena concluir o ano conferindo o trabalho dessa conterrânea talentosa:


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

MEDO - Maxsuel Cleyton


Eu vivo tanto que perdi o medo da morte, vivo tanto que perdi o medo de morrer, vivo tanto que só tenho medo de viver, vivo tanto que tenho medo de sofrer vivo tanto que tenho medo da dor mas como posso ter medo da dor se eu não conheço a dor ? como posso ter medo da morte se a morte ainda não chegou? mas por saber que ela existe me faz sentir medo me faz sentir dor parece uma dor que não doi parece uma morte que não morre uma vida que não é vivida ,só tenho certeza de uma coisa a morte existe e por ela existir que eu não tenho medo ,posso ter até medo do que não existe pois eu não conheço mas a morte eu não conheço mais sei que existe e por saber que existe é que me faz sentir medo me faz sentir dor, eu tenho medo do que existe e conheço que é viver porque na vida há de ter sofrimento a de ter dor e na morte não tem isso nem sofrimento nem dor é como uma dor que não doe ,morremos sem sentir dor mais vivemos com essa dor ,dor de pensar na morte dor de pensa na dor ,medo da morte, medo da dor ,medo de viver, mas Deus é nosso salvador que nos salvou e nos tira esse medo que é o medo da morte que é o medo da dor.

domingo, 28 de dezembro de 2014

ÀS PROMESSAS: É FIM DE ANO! - Lindonete Câmara

2015 pode ser a continuidade dos tempos, dos anos e da vida, mas é um novo ano que virá. Com ele outros sonhos e outros momentos.
Não sei qual sua compreensão, mas os outros anos já passaram, e as suas, ou quem sabe as minhas promessas não foram cumpridas.
Deixemos lá tudo que outrora vivemos com encanto ou desencanto, talvez descumprimos os juramentos que a nós fizemos.
Sempre nos transformamos quando nos permitimos. Claro que sentiremos saudades de pessoas, de projetos, de tudo que deu certo e até mesmo do que não deu.
Sentiremos saudades de amores, amizades, dos risos incontroláveis e das boas conversas... Mas a vida continua e o passado já não existe de fato no presente.
Assim nos permitiremos fazer um balanço da vida, de quem fomos, somos e seremos.
Se ainda não perdoamos, vamos perdoar e esvaziar nossos corações de tudo que não vale ou valeu apena para caminharmos em paz.
Vamos nos amar, assim não teremos medo de enfrentar os acertos e desacertos da vida e muito menos justificar o que dizem sobre nós.
Vamos amar ou aprender a amar até mesmo nossos inimigos, se por ventura existirem.  Amar não é conviver diariamente...
Vamos traçar metas, começar ou recomeçar o que deixamos de fazer, sem deixá-las apenas nas palavras.
Levemos a sério nossos compromissos de mudanças. Por falar em mudanças, seja diferente, mas seja você, seja liberto. A vida sempre está nos ensinando sobre a libertação. E livres não seremos aprisionados a pessoas ou situações, assim, todos os anos serão vividos em que pese às circunstâncias adversas. Enfim, a transformação deve ocorrer primeiramente dentro de nós.
Então, não percamos tempo! Vasculhemos as sombras que nos rodeiam e todas que estão acomodadas em nosso ser.
Encontre o silêncio, reflita com cuidado e, se necessitar, vá se desprendendo de acordo com seus passos, mas não deixe de caminhar ou de mergulhar nas grandes águas da vida.
Nessa exploração da consciência nade com todas as forças encontrando tesouros escondidos, desbravando mares que jamais foram conhecidos ou reconhecidos. Ou seja, você, simplesmente você, nesse grande oceano que é a vida.
Ah, a vida é isso: deve ser sempre mutável e flexível.  Então, não se acostume com prisões internas, e mesmo se forem externas sinta-se livre por dentro.
Que o ano vindouro seja de transformações e que possamos ser mais altruístas.
Que todas as mudanças externas sejam concretizadas em nossas vidas sem nenhum engano ou desengano.
Não levando em consideração sua religião, credo, seita, ateísmo ou ideologias, espero que você se encontre, ou se já estiver encontrado que se firme.
Endereço essas simples palavras para quem deseja imergir no novo ano com profundidade e quem sabe almeje outras mudanças de vida.
Mas, a todos desejo também um Feliz Ano Novo: recheado de AMOR, bonança e todos os sentimentos que nos façam verdadeiramente humanos!



Lindonete Câmara.

sábado, 27 de dezembro de 2014

UM QUADRO QUE NÃO VAI SE REPETIR - Gilberto Cardoso dos Santos

Belíssima foto tirada por  minha esposa de dentro da parte seca do açude Santa Rita, em 27.12.2014

O acaso fez no ocaso
Um quadro belo e fugaz
Todo dia ele faz
Imagens de breve prazo
Raios vindos do Parnaso
Fazem estrofes fluir
Mas tudo está a sumir
Vejo se desvanecer
Um tão belo entardecer
Que não vai se repetir.

Tudo na vida é assim
Totalmente passageiro
Irrepetível roteiro
Do começo até o fim
O que é caro pra mim
Um dia vai se esvair
A tristeza tem que vir
Para anuviar o ser
Como este entardecer
Que não vai se repetir

Uma profusão de cores
Convidativa ao olhar
Capaz de amenizar
Melancolias e dores
Em meio a tais esplendores
Dá vontade de sorrir
É preciso usufruir
Deste instante de prazer
Único, deste entardecer
Que não vai se repetir.


quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

O INSULTO DE NATAL (Gilberto Cardoso dos Santos)



 O INSULTO DE NATAL (Gilberto Cardoso dos Santos)

Disseram que esse indulto
É um ato de clemência
Feito pela presidência
Mas considero um insulto
Pois de nós não é oculto
Que o sistema prisional
A nível nacional
Não recupera ninguém
Por isso não nos convém
O Indulto de Natal

Sai ladrão, estuprador
Assaltante e assassino
Quem alicia menino
Também recebe o favor
Cada ano é esse horror
E o povo é quem se dá mal
Sempre há um marginal
Que a prisão não redime
E pratica mais um crime
no Indulto de Natal.

Durante a festividade
O cidadão se amedronta
Pois sempre um bandido apronta
Na sua comunidade
se não há tranquilidade
em um período normal
essa data especial
o grande perigo traz
de topar com Barrabás
no Indulto de Natal.

Sei que os Direitos Humanos
Estão por trás do decreto
Que só se mostra incorreto
Devido tantos enganos
Se houvesse melhores planos
Pensando no social
Se a prisão, afinal
De fato recuperasse
Talvez o povo aceitasse
O Indulto de Natal

Para alguns é moleza
Na prisão permanecer
E sai pensando em fazer
Mais alguma safadeza
Tal lei provoca tristeza
No pobre policial
Que além de ganhar mal
Enfrenta muitos dilemas
E vê crescer seus problemas
No Indulto de Natal.

Há o indulto natalino
E a saída temporária:
Liberdade carcerária
Por um tempo pequenino
Contra isso eu opino
Mas a medida é legal
O efeito colateral
Sobra pra população
Que sofre com o Saidão
E o Indulto de Natal.

No Saidão, certamente
Poucos  desejam voltar
Para um terrível lugar
Tão apinhado de gente
No entanto o poder vigente
Com base em lei federal
A Pilatos faz igual
Solta a quem não deveria
E mais um problema cria
No Indulto de Natal

Eu não sou contra os direitos
Mas se o país é sério
Precisa usar um critério
Que provoque bons efeitos
Combater os preconceitos
É pra nós essencial
No seu estágio atual
Esta lei está errada
E devia ser chamada




INDULTO NATALINO: PRESIDIÁRIO É ESPANCADO POR POPULARES APÓS ESTUPRAR GAROTA DE 13 ANOS  

30% DOS PRESOS, BENEFICIADOS PELO SAIDÃO DE NATAL, NÃO VOLTARAM PARA OS PRESÍDIOS, DADOS DO ANO PASSADO

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

A MAIOR NECESSIDADE DO NATAL - Gilberto Cardoso dos Santos



“[...] quando eu estava lendo o Sermão da Montanha e vendo os altos padrões de Jesus Cristo, os grandes valores e sem os quais já teríamos todos nos matado, quando eu li “Ame seu inimigo” aquilo fez perfeito sentido para mim.” – Mossab Hassan, ex-muçulmano, filho de um dos líderes do Hamas. 


Após espantar-me ao ouvir um intérprete do Corão explicando que comemorar o natal é mais grave que fornicar, beber ou matar; depois de saber que radicais islâmicos queimaram cerca de 1200 carros - só na França – em 2013, por ocasião dos festejos natalinos; após ler a notícia de um atropelamento intencional de onze pessoas em Dijon feito por um maometano e de um outro que feriu a três policiais no dia anterior enquanto louvava a Alá; ao ser impactado pelo assassinato de 145 pessoas numa escola cristã do Paquistão, a maioria crianças, eu comecei a desejar a presença  de Jesus em  nossas celebrações.

Sim, eu ansiei ver aquela manjedoura no centro de nossas vidas encurraladas, cercadas por tantos becos sem saída. Vi que falta a paz do primeiro presépio em nossas festividades. Há excesso de ouro, talvez, mas sabemos que muito dessa riqueza não resistiria ao acrisolamento. Precisamos urgentemente desligar os carros de propaganda, os paredões de som e a poluição sonora das igrejas para ouvir o riso ingênuo, o choro, os gemidos de dor e os roncos da fome dessa criança que se mostra onipresente e pode estar tremendo de frio ou de medo no Iraque, no Paquistão, na França ou nalguma favela do Brasil, em qualquer corpo.

Enquanto ouço Noite Feliz, que me fala de um momento utópico, sinto que desesperadamente carecemos do Messias e de sua mensagem em nossos dias, como carecemos de uma boa música. Mesmo que alguém pense que ele nunca existiu ou que foi diferente do que nos fazem pensar, urge que marque presença agora, com a humildade e amor que lhe são atribuídos, que de fato renasça a cada natal e nos lance aquele olhar que aquece o coração.
Alberto Caieiro, heterônimo de Fernando Pessoa, teve um encontro com esse menino. Diz-nos ele:

Num meio dia de fim de primavera
Tive um sonho como uma fotografia
Vi Jesus Cristo descer à terra,
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.
[...]


Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural,
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.
E a criança tão humana que é divina
É esta minha quotidiana vida de poeta,
E é porque ele anda sempre comigo que eu sou poeta sempre,
E que o meu mínimo olhar
Me enche de sensação,
E o mais pequeno som, seja do que for,
Parece falar comigo.


A Criança Nova que habita onde vivo
Dá-me uma mão a mim
E a outra a tudo que existe
E assim vamos os três pelo caminho que houver,
Saltando e cantando e rindo
E gozando o nosso segredo comum
Que é o de saber por toda a parte
Que não há mistério no mundo
E que tudo vale a pena.


A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as cousas,
Aponta-me todas as cousas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão
E olha devagar para elas.

[...]

Precisamos dum encontro dessa natureza com o menino Jesus. Há homens loucos em nosso dias, dispostos a estragar ou destruir nossas vidas e as deles por uma causa insana. Como os modernos cristãos, eles têm uma falsa visão do Jesus a quem dizem respeitar e a quem os ocidentais dizem adorar.
Há um ódio exposto em seus semblantes que só as carícias desse menino poderiam dissipar, suas mãozinhas talvez pudessem deter seus dedos e mantê-los longe dos gatilhos. Uma vez que não dão lugar à fria razão, somente a presença dele poderia trazer pureza e sossego ao curral imundo de suas consciências. A pensadora Ayaan Hirsi, ex-muçulmana, reconhece a  importância da cultura cristã em sua versão atual, e crê no papel positivo que ela pode ter em melhorar o mundo. Por isso, quando um destes radicais aceita Jesus, faço coro aos louvores cristãos. Gostaria de vê-los aos milhares vindos do Oriente como os magos, encurvados perante a manjedoura.

Nosso natal, tão enfeitado pelas cores da hipocrisia, vergonhosamente explorado por gananciosos empresários e igrejas, desperta o ódio e o desprezo de muitos, até de nós mesmos, quando intimamente o observamos. Enquanto cantamos e maquinalmente nos saudamos, fanáticos avançam impunes estragando o natal e o resto da vida de gente desprotegida.


Precisamos com urgência fazer algo para que o Natal seja o que deveria ser.



 Veja o vídeo:  https://www.youtube.com/watch?v=j3CFOW7rxWg



SORRIA, É NATAL! - Clarion de Laffalot

Um vídeo para nossa reflexão:

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

AMANHÃ É NATAL! - Lindonete Câmara


O Natal está chegando, amanhã é Natal.
Quanta euforia nas ruas, até mesmo nas igrejas e nos enfeites, que para muitos cobrem e escondem sua alma em segredo.
Ah! Mas tem aqueles que, enfeitados aparentemente com decência, também tem sua alma abastada.
Tem de tudo no Natal, e às vezes, quase nada tem.
Tem aquele que arruma a casa externa com tamanha devoção e esquece como anda o vazio do coração.
Tem aquele que celebra sem saber o verdadeiro motivo de tamanha cerimônia e vai festejando sem entender quem é o dono da celebração.
Tem aquele que exageradamente come, bebe, dorme e amanhece sem saber que o Natal tem outro significado.
Tem aquele que se endivida com roupas e sapatos para desfilarem no meio do Natal sem nenhum sentido alado.
Tem aquele que se reúne com a família e esquece muitas vezes de reconhecer atos e dá ou receber o perdão de outrora.
Têm muitos que estão falando de AMOR, mas não vivem esse grande sentimento no dia a dia com destemor.
Há quem cante e se encante com as velhas canções do Natal, refletindo, ou apenas cantando e se encantando.
Mas, no Natal tem de tudo, e às vezes, quase nada tem.
Tem fartura, ouro e risos, mas também tem desprovimento, choro e mesa vazia, e na maioria das vezes, o Papai Noel está no centro muito mais que Jesus.
Tem seres preenchidos com nobres valores e, mesmo sem a riqueza externa, não lhes faltam absolutamente nada.
Mas, também tem gente saciada com a dupla abundância interna e externa, enquanto outras não possuem nada, que venha de dentro ou de fora.
Mas, o Natal está chegando, amanhã é Natal. E depois de amanhã é outra realidade, só terá Natal no próximo ano.
Se desejar, vá adiante nessa reflexão, não tenha medo de se aprofundar e encontrar o verdadeiro sentido do que seja o Natal para esse e todos os outros que virão. E quem sabe nessa permissão, um novo rumo de vida lhe traga outro sentido para viver o Natal todos os dias de sua vida.
Mas, o Natal está chegando, amanhã é Natal.


Lindonete Câmara








NATAL - Rubem Alves



“(…) Natal me deixa triste. Porque, por mais que o procure, não o encontro. Natal é uma celebração. As celebrações acontecem para trazer do esquecimento uma coisa querida que aconteceu no passado. A celebração deve ser semelhante à coisa celebrada. Não posso celebrar a vida de Gandhi com um churrasco. Ele era vegetariano, amava os animais. Uma celebração de Gandhi teria de ser feita com verduras, água, leite e um falar baixo. Mais a leitura de alguns textos que ele deixou escritos. Assim Gandhi se tornaria um dos hóspedes da celebração. Agora, um visitante de outro planeta que nada soubesse das nossas tradições, se ele comparecesse às festas de Natal, sem que nenhuma explicação lhe fosse dada, ele concluiria que o objeto da celebração deveria ser um glutão, amante das carnes, bebidas, do estômago cheio, das conversas em voz alta, do desperdício. Nossas celebrações de Natal são como as cascas de cigarra agarradas às árvores. Cascas vazias, das quais a vida se foi. Se perguntar às crianças o que é que está sendo celebrado, eles não saberão o que dizer. Dirão que o Natal é dia do Papai Noel, um velho barrigudo de barbas brancas amante do desperdício, que enche os ricos de presentes e deixa os pobres sem nada. (…) Pois é certo que as celebrações do Natal são orgias de ricos, celebrações do desperdício e lixo. Celebrações do lixo? Aquelas pilhas de papel de presente colorido em que vieram embrulhados os presentes, não são elas essenciais às celebrações? Rasgados, amassados, embolados num canto. Irão para o lixo. Quantas árvores tiveram de ser cortadas para que aqueles papéis fossem feitos. Para quê? Para nada. A indiferença com que tratamos o papel de presentes é uma manifestação da indiferança com que tratamos a nossa Terra.


Estou convidando meus amigos para uma celebração de Natal. Ela deverá imitar a ceia que José e Maria tiveram naquela noite: velas acesas, um pedaço de pão velho, vinho, um pedaço de queijo, algumas frutas secas. À volta de um prato de sopa de fubá – comida de pobre –, tentaremos reconstruir na imaginação aquela cena mansa na estrebaria, um nenezinho deitado numa manjedoura, uma estrela estranha nos céus, os campos iluminados pelos vaga-lumes. E ouviremos as velhas canções de Natal, e leremos poemas, e rezaremos em silêncio. Rezaremos pela nossa Terra, que está sendo destruída pelo mesmo espírito que preside nossas orgias natalinas. (…)”


http://evolucaosustentavel.blogspot.com.br/2011/12/natal-rubem-alves.html

http://evolucaosustentavel.blogspot.com.br/2011/12/natal-rubem-alves.html

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

À ESPERA DO PRESENTE - Nailson Costa



Não tem na minha Árvore Natal uma foto, um boneco, uma lembrancinha, uma representação da imagem de Jesus. Nela vejo estrela, Papai Noel, renas, trenós, bolinhas vermelhas, verdes, azuis e lampadinhas coloridas a piscar. Mas Jesus lá não está. Onde já se viu o dono da festa não ser nela lembrado!? Dezembro é o mês de nascimento de Jesus. É o aniversário Dele. Esqueci-me Dele na Árvore de Noel. Pior ainda é pedir presente ao aniversariante! Presente não se pede a ninguém, muito menos a Jesus, que nos presenteia todos os dias com a vida. Presente é como beijo, não se pede, se conquista! Mas eu pedi um há 7 dias. E Jesus não me atendeu ainda. Será que é porque eu me esqueci de pô-Lo na minha Árvore de Natal? Acho que não! Jesus não é mesquinho, muito menos vingativo. E o pedido era tão simples: força, uma oportunidade clara como o meio-dia, para, assim como Ele, amar ao próximo, por mais distante que este de mim esteja ou diferente de mim seja. Mas Ele até então não me atendeu. Essa luz, essa força, essa oportunidade, esse amor pedido, ainda, até agora, não se me mostrou. Jesus tem me dado muitos presentes, quase tudo de que preciso, apesar de nada quase Lhe pedir. Mas esse presente Ele até então não me deu. Os religiosos negativos de plantão afirmariam com todas as forças de seus pulmões que Ele está, sim, desgostoso comigo, motivo pelo qual não me atendeu. Mas Ele não sou eu, nem eu Ele. Jesus não é vingativo e não guarda rancores. Ele perdoa nossas falhas 70 vezes sete, e não é um esquecimentozinho bobo meu que O tornará igual a mim, vingativo, mesquinho e sem amor! Sou humano cheio de defeito. Jesus é santo e perfeito. Ontem mesmo (que bobagem!) me chateei com um cãozinho fedido, faminto e enfermo à minha porta a pedir-me pedacinhos de comida. Mas lhe neguei por 3 vezes. O cãozinho bem que poderia pedir na lanchonete da calçada vizinha, cujas mesas fartas de guloseimas estavam bem dispostas e o cheiro era muito bom. Mas não, veio a mim, como se eu fosse seu dono. Na minha casa tem uma linda Árvore de Natal a piscar, com Papai Noel, renas, trenós, bolinhas vermelhas, verdes, azuis, menos pão e carne pra ofertar a cachorros de rua quaisquer. Onde já viu, a prefeitura tome conta! Eu muito bem sentado de terço na mão a louvar Nosso Senhor Jesus Cristo e a esperar o seu sinal de meu presente interromper minha vigília por causa dum cão!? Não! De jeito nenhum! Tenho que estar preparado, concentrado pra bem interpretar o sinal de Jesus, pois meu coração necessita de amor, amor ao próximo, por mais que distante de mim este esteja ou de mim diferente seja. Jesus dará o sinal, acenderá minha Árvore de Natal, mesmo nela Ele não estando.

( Nailson Costa, 21.12.2014)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O mundo muda - Rita Luna


Chuva fina caindo leve
No sertão da minha terra sedenta
Gota a gota abençoada molhando os olhos da gente
Vem o verde cresce a relva planta a semente

Mesa cheia sopa quente
Fruto da terra cresce a gente miúda
Cresce a esperança e o tempo muda
Muda o povo, sofre a natureza muda tudo

Crescem as possibilidades de cultura e educação
Cresce o filho do caboclo em mundo mudo
Sai do campo buscando o campo monetário

O money vem, o estress também
O mundo corre apressadamente
Esquecendo o simples ato de plantar a semente

Rita Luna 13-06-13

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Uma noite na Pedra da Boca. - Maria Stella Dantas



Costumo passar os domingos na casa dos meus pais e me delicio com as histórias que contam sobre sua infância e juventude no Nordeste. Já ouvi várias vezes que quando jovem e vaqueiro, meu pai ia da Paraíba para São José do Campestre no Rio Grande do Norte visitar seu tio também vaqueiro Manoel Pinheiro.  Em sua narração há sempre a descrição do caminho percorrido, uma pedra com o formato de uma mulher e uma outra que tem uma boca, essa localizada em Passa e Fica. Desde que falou sobre essa tal pedra com uma boca fiquei curiosa para conhece-la.



Pesquisei na internet e quando vi as fotos do local fiquei maravilhada e decidi que iria conhecer a Pedra da Boca. Queria unir o útil ao agradável, passar pelos caminhos que meu pai quando jovem e vaqueiro passou e aproveitar para fazer umas trilhas, gosto muito de trilhas! O local é o paraíso da escalada e rapel.  Então consegui o contato do guia mais famoso de lá, Seu Tico , um paraibano de 57 anos, super simpático, cujo quintal é o Parque Estadual da Pedra da Boca. O Parque encontra-se na cidade de Araruna/PB, mas sua entrada está mais próxima de Passa e Fica/RN. Estava hospedada em Natal e me programei para sair no ônibus das 5h15, chegar em Passa e Fica às 8h, ir direto subir a pedra , descer, almoçar, trilhar de novo,  dormir e no dia seguinte fazer a trilha das grutas. Ainda em Natal perguntei ao Seu Tico se ele oferecia hospedagem e ele me disse que me alugaria uma rede. Na minha completa ingenuidade pensei que ele dispunha de um quarto cheio de redes (um redário). Bem, após as trilhas, veio a janta e o cair da noite, e eu me perguntando onde dormiria, até que Seu Tico me sai de sua casa com uma rede azul bem fornida e arma no alpendre de sua casa, local utilizado para colocar as mesas do seu “restaurante”. Ele proseou um pouquinho comigo, falamos de seu mural de fotos e ele se recolheu. Entrou, fechou a porta e fiquei do lado de fora com Xerete, cão de estimação da família, dois sapos enormes, um silencio interrompido pelos grilos, uma negritude cortada pela lâmpada do poste e uma chuvinha fina e constante.  


Indescritível a sensação, não tão positiva, de ter que passar a noite sozinha do lado de fora da casa em uma cidade desconhecida, para uma mulher e ainda por cima carioca, que vive com o alerta ligado mesclada com a deslumbrante experiência de subir a famosa pedra e paisagem lindíssima. Tenho o hábito de dormir lá pelas 23h e tive que me recolher as 19h! A noite foi longa, afinal não tenho o costume de dormir a noite toda numa rede. Aproveitei para contemplar o silêncio, sentir o frescor da noite e refletir sobre minhas andanças pelo interior do Nordeste e o meu pertencimento a essa região. Lembrar de meus antepassados que por muitas e muitas vezes passaram por aquelas terras a pé ou a cavalo e agradecer a oportunidade de ter conhecido um lugar tão lindo e único! Não sei bem explicar, mas  esta noite mexeu comigo, me tornando mais corajosa do que naturalmente sou.  Lamentavelmente devido a chuva não pude fazer a trilha das grutas, e em algum momento voltarei a Pedra, o que farei com muito prazer.


Maria Stella Dantas
Secretaria da Diretoria
Bio-Manguinhos/FIOCRUZ

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

VERSOS PRA MINHA MULHER - Gilberto Cardoso dos Santos


Maria “dulce” Maria
Bela na simplicidade
Minha fonte de alegria
Sossego e felicidade
Que tem todo meu respeito
Ela só tem um defeito:
“d” feito no nome AnDrade.

Quem a conhece descobre
O quanto é inteligente
Seu comportamento nobre
Mostra o quanto é prudente
Eu tive bastante sorte
Pois mulher com esse porte
Não se acha facilmente.

Acho seus olhos tão belos
Gosto de seu bom humor
E nos seus gestos singelos
Vejo expressões de amor
Digo no verso e na prosa
É uma mulher virtuosa
De inegável valor.

É minha melhor amiga 
além de esposa amada
se às vezes a gente briga
é uma briguinha de nada
que logo se desvanece
quando ela me aquece
no frio da madrugada.


domingo, 14 de dezembro de 2014

MULHERES ESTENDENDO PANO - Gilberto Cardoso dos Santos

Pintura de  Wagner di Oliveira

Mulheres estendem panos
Enfrentam grande peleja
Ventos perturbam seus planos
Mas para quem as corteja
Numa exposição qualquer
O vento sopra onde quer
Mostra o que o olhar deseja.

O pincel com sutileza
faz algo extraordinário
Um cheiro bom de limpeza
se espalha no imaginário
de ondulante magia
se reveste a ventania
no quadro extraordinário.





sábado, 13 de dezembro de 2014

DIA DE MAZELAS - Hélio Crisanto



Certo dia de mazelas
Pisei no rastro de um corno
A rede caiu do torno
Fraturei duas costelas
Pra completar as sequelas
Quando sai pro mercado
Botei num bolso furado
O dinheiro da verdura
E pra levar a mistura
Fiz a feira no fiado

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

CONVITE: HOJE TEM ESPETÁCULO - Shirley Felipe



Mais uma vez o PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO DA ESCOLA ESTADUAL COSME MARQUES, abrilhantando com um espetáculo divino. Agradecemos a todos que participaram desde a sua elaboração até a sua culminância. 

Ainda não acabou, HOJE (11.12.2014) tem mais. Venham assistir esse evento tão esperado por todos nós, às 19:00 no Teatro Candinha Bezerra.


O SOLDADINHO DE CHUMBO E A BAILARINA








quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

SAÚDE MENTAL NA ESCOLA COSME F. MARQUES - Ana Glória


Escola Estadual Cosme Ferreira Marques
Ensino Fundamental e EJA
Rua Aluízio Bezerra, 165, Centro, Santa Cruz-RN
Telefone: 3291-6935


Aos dias dois de dezembro do corrente ano (02/12/2014), reuniram-se, nesta instituição de ensino, o médico psiquiatra Epitácio Andrade Filho, gestores, professores do turno vespertino e demais funcionários para juntos realizarem uma oficina de trabalho, pautando a temática Saúde Mental na Escola.
Dr. Epitácio destacou a importância do PSE - Programa de Saúde na Escola – que, junto ao PSF - Programa de Saúde Familiar do bairro - , pode consolidar  uma importante parceria a fim de que  a escola possa concretizar projetos referentes à Saúde Mental na Escola e buscar soluções para os problemas detectados.
A vice-diretora Shirley Felipe relatou casos de estudantes com distúrbios já diagnosticados por psiquiatras ou psicólogos.
Os professores falaram das dificuldades vivenciadas e de casos em que suspeitam haver alunos com problemas de ordem psiquiátrica ainda não diagnosticados.
Dr. Epitácio deu sugestões de como a escola deveria proceder no caso de constatação ou suspeita de desequilíbrios mentais.  Falou que, primeiramente, será de suma importância comunicar à família e ao PSF. Depois, destacou estratégias para os professores lidarem adequadamente diante de alguns casos específicos que incomodam a todos. Por exemplo, o aluno com habilidade significativa em algum esporte, deve ser incentivado a desenvolver mais e mais essa sua competência e utilizá-la para amenizar os déficits das demais competências e em benefício dos colegas.
Outro ponto pertinente na oficina de trabalho foi a discussão acerca de conceitos de problemas relacionados a saúde, como: o que é Depressão? O que é distúrbio de personalidade? O que é ser um psicopata? O que é distúrbio de conduta? Para tais indagações, Dr Epitácio, discorreu com muita proficiência. A seguir mencionou o alto índice de consumidores de remédios controlados, em Santa Cruz e refletiu sobre possíveis causas.
Para o momento, também falou sobre a criação e o papel do CAPS e da importância que a entidade teve e tem em relação aos tratamentos das pessoas com problemas de saúde mental, haja vista que a mesma surgiu em substituição aos manicômios, onde o ser humano era tratado de forma muitas vezes desumana.
Dr. Epitácio indicou aos professores algumas atividades lúdicas que poderiam contribuir para um melhor entendimento de como funciona a mente dos alunos e a respeito de possíveis deficiências. Também deu dicas de como tais temas poderiam ser aprofundados em pesquisas do Google.
Em suma, a oficina de trabalho Saúde Mental na Escola foi muito proveitosa para nossa instituição. Além dos conhecimentos adquiridos e das informações repassadas, ficamos mais preparados para lidar com problemas que porventura venham a surgir no processo ensino-aprendizagem.